Como criar uma categoria de produtos para e-commerce? Confira 7 dicas!

Criar uma loja virtual é uma das formas de ganhar bastante dinheiro e, o melhor de tudo? Sem precisar sair de casa para trabalhar e fazendo os próprios horários. E, se você já tem um negócio físico, colocar um e-commerce associado é uma ótima estratégia desde que consiga criar uma categoria de produtos relevante e de fácil utilização para seus clientes.

Categorizar os produtos da sua loja é de fundamental importância, pois ajuda que eles encontrem o produto que procuram e isso deve acontecer de forma fácil e rápida.

Quanto melhor essa categorização acontecer, mais fácil será de realizar suas vendas e alcançar as metas criadas para o setor.

Para isso, é preciso seguir algumas dicas que são fáceis, mas que precisam ser colocadas em prática para fazer a diferença. Confira abaixo!

Categoria de produtos: como criar a sua!

1. Defina os filtros

Além das categorias, é essencial definir os filtros. Para entender melhor a importância dessa dica, basta se colocar no lugar dos seus clientes.

Quando você acessa um e-commerce e deseja fazer uma compra, os filtros são bem úteis. Eles podem delimitar, por exemplo:

  • valor máximo;
  • marca;
  • cor;
  • frete grátis.

Tudo vai depender de que tipo de produto sua loja vende. Por exemplo, se for loja de calçados ou de roupa (ou os dois), ter no filtro dos tamanhos é algo que não pode faltar. Já se for vender produtos eletrônicos, colocar espaçamento de HD, memória RAM e outras características nos filtros facilita a vida do usuário.

2. Atente-se à nomeação dos produtos

O nome das categorias precisa, acima de qualquer coisa, oferecer clareza. É muito importante que, “ao bater o olho”, o usuário perceba rapidamente que o produto que ele quer pode ser encontrado ali.

Por exemplo, digamos que o seu e-commerce venda produtos eletrônicos como celulares, tablets, computadores e outros. É importante ter uma categoria para cada um desses produtos. Caso você venda outros produtos que estão fora do grupo de informática — livros, por exemplo — é interessante criar categorias e subcategorias como abaixo:

  • Livros:
    • Romance;
    • Ficção;
    • Biografias.
  • Informática:
    • Computadores;
    • Tablets;
    • Celulares.

A melhor forma de acertar na hora de criar as categorias é pensando como usuário. Você pode, inclusive, pedir a alguém que não participe do projeto para testar o quão fácil é encontrar um produto no seu site.

3. Analise a concorrência

Essa é outra ótima maneira de criar as categorias: ver o que os seus correntes estão fazendo e analisar o que está dando certo e o que não está.

A partir disso, fica mais fácil se inspirar e ter boas ideias de quais categorias criar dentro do seu e-commerce. E como usuário do site da concorrência fica mais fácil entender o que é interessante ou não para adicionar ao seu e-commerce. 

Por exemplo, você pode pegar ideias de filtros se perceber que eles ajudam a encontrar o produto mais facilmente. Também pode perceber que alguma categoria não foi bem posicionada e que, portanto, não deve fazer parte da sua estratégia.

É bom também entender que algumas categorias se tornaram padrões e que devem, assim, fazer parte do seu e-commerce. Isso porque o usuário já espera encontrá-las quando entrar no seu site e, caso isso não aconteça, pode gerar uma certa confusão.

4. Pense no UX

UX (User Experience) — sigla que em português que significa Experiência do Usuário — é algo essencial para qualquer site, especialmente na hora de criar categorias. 

Esse conhecimento ajuda consideravelmente na hora de criar uma boa experiência para qualquer pessoa que acessar seu site. E sabemos que essa experiência conta muito na hora de o usuário decidir se quer ou não continuar com a pesquisa ou realizar a compra. 

Sendo assim, você pode pensar tanto no UX Writing como também no UX Design, pois são dois conhecimentos e (profissionais) interessantes na hora de criar categorias de produtos para sua loja virtual.

A ideia central do UX é que o usuário não tenha que pensar muito quando entra no site da sua empresa. Ele precisa ser algo intuitivo e fácil de entender. Por exemplo, normalmente, as categorias ficam na parte superior ou no menu do lado esquerdo. Pensar em se diferenciar e fazer um menu do lado direito pode prejudicar suas vendas.

5. Use SEO

Estratégia de SEO (Search Engine Optimization) — Otimização dos Mecanismos de Busca em português — é algo de extrema importância e que deve ser considerado em todos os momentos do seu projeto.

Uma boa estratégia de SEO impacta diretamente no fato de sua empresa aparecer ou não nas primeiras posições dos resultados do Google quando alguém pesquisa algo que o seu negócio vende.

Por exemplo, digamos que o seu negócio venda maquiagem e alguém pesquisou por BB Cream com FPS 30. O seu desejo é que o seu produto apareça como primeira opção nos resultados de pesquisa. Dessa forma, as chances de vender são maiores.

Existem algumas partes do site que são muito importantes quando o assunto é SEO. Por exemplo, o menu inicial, é um lugar que precisa de maior atenção e o uso de palavras-chaves corretas.

Além disso, cada produto vai precisar de um pequeno texto fazendo uma descrição sobre o mesmo. É essencial que as estratégias de SEO sejam devidamente trabalhadas nesse aspecto.

6. Personalize sempre que possível

Quanto mais o seu site puder ser personalizado, melhor. Afinal de contas, ele precisa estar alinhado às necessidades do consumidor, aos novos comportamentos que vão surgindo. 

Por isso, é essencial, por exemplo, ter um formulário de contato para que o usuário possa dar um feedback sobre o que ele acredita que pode ser melhorado. A partir disso, analisar quantas pessoas pensam da mesma forma e assim, fazer testes com base na opinião dos usuários e possíveis clientes.

7. Destaque as categorias mais acessadas

Algumas categorias costumam ser acessadas com maior frequência pelos usuários. Para saber quais são elas, você — ou o responsável da sua equipe — precisará ficar de olho no Google Analytics. Essa ferramenta consegue oferecer quais as taxas de cliques e outras informações que vai ajudá-lo a entender quais categorias devem ficar em destaque.

Criar uma categoria de produtos para o seu e-commerce não é algo tão complexo quanto parece, mas, ao mesmo tempo, pode ser necessário pedir ajuda a quem entende do assunto. As chances de erros são muito menores e você será capaz de concluir a sua loja virtual em menos tempo e começar as vendas.

Precisando de ajuda? A equipe da Anova está pronta para ajudá-lo(a) nesse novo projeto! Entre em contato conosco e tire suas dúvidas!